O PROBLEMA É COMO SE COME!

O PROBLEMA É COMO SE COME!

O dia hoje está mais fresquinho, chuvoso e, portanto pede uma comidinha “quentinha” e mais elaborada, por que não?

Depois de muito pensar no cardápio resolvi fazer um macarrão com molho de calabresa. Fácil, gostoso e mega quente. Delicia!

Algumas pessoas certamente poderão não entender a minha escolha, na verdade acho que a maioria e vou explicar por que. Para quem a obesidade não é um problema é difícil entender qualquer coisa a respeito do assunto. Se você sofre por ser gordo, elas não entendem. Se você como um x-tudo, elas não entendem, se você não come nada com mais de “10 calorias”, elas também não entendem. E eu não as culpo. De verdade não.

As vezes estou numa roda de amigos e surge o assunto. Sei lá, vamos dizer que saímos para comer uma feijoada. Sempre tem um na mesa que vira e fala: você vai comer isso, Andrea? Cuidado, você não deveria. Coitado, mal sabe ele que posso tudo. E de verdade EU POSSO! Mas eu já não entro mais neste mérito, não tento mais explicar e deixo cada um com a sua opinião, seja ela qual for. Serio, cansei! As pessoas não entendem e não querem entender! Salvo alguma minoria realmente interessada. Ai, sem problemas explico tudo o que acontece com a maior boa vontade do mundo.

E o que acontece? O que acontece é que o grande problema está na forma com que se come e não no que se come. Confuso? Talvez, mas depois que se compreende isso, tudo fica muito mais fácil e saboroso, pode acreditar.

Um dia, bem antes de operar eu fui almoçar numa churrascaria com uma amiga. Como eu estava muito gorda, só de entrar naquele ambiente, eu já me sentia péssima. Mas OK, fomos mesmo assim. Eu comia com vergonha e muito contida. A impressão que tinha era que as pessoas pensavam que a minha presença ali acabaria com todo o estoque. Louco, né? Enfim…

De repente, na mesa ao lado da nossa, sentou um casalzinho. Ela irritantemente magra e ele normal. Mas o que me chamou a atenção mesmo foi o apetite dela e aquilo me fez parar tudo para só observa-la.

Ela comia de tudo, não teve nada que foi passado que ela não tivesse aceitado. Mas depois de alguns minutos de observação percebi que tudo que foi colocado no prato dela era em pequena quantidade e ela simplesmente não comia, ela saboreava cada garfada.

E essa e a grande diferença entre gordos e magros. Enquanto o magro come com prazer para saciar uma fome, uma vontade o gordo come se agredindo sem sequer sentir o gosto de cada alimento. Parece que ele vive numa eterna disputa querendo comer sempre mais do que as pessoas ao seu redor. O gordo não sente o gosto da comida, ele mal engole o que está na boca e já pensa na garfada seguinte.

Anos mais tarde, trabalhando no programa Estilo & Saúde, na Record News, eu conheci um psiquiatra especialista no assunto e na espera para o inicio da gravação do programa nós tivemos a oportunidade de conversar longamente. E todo o trabalho que ele realiza é exatamente em cima disso DA FORMA COM QUE SE COME. E a cada dia tenho mais certeza disso.

Fizemos um teste pratico. Dias depois ele me convidou para almoçar e me levou para uma churrascaria. Aceitei o convite, mas na hora pensei: to f*** como vou comer num lugar desses (desde que operei não tinha ido a uma churrascaria, pois achei que seria uma péssima ideia). Na hora eu argumentei, mas ele me convenceu e lá fomos nós.

Ele não falou nada, mas senti que me observava o tempo todo.  Primeiro fiz meu prato de saladas e depois abri para as carnes. Mas acabei me arrependendo depois, deveria ter comido tudo junto, mas ok, ainda assim deu certo. De carne ainda consegui comer dois pedaços de cupim, alcatra e acho que uma linguiça, não me lembro. O mais louco de tudo foi que eu tomei liquido durante toda refeição, coisa que nunca mais eu tinha feito. Resultado: comi bem, me alimentei, matei minhas vontades, não “entalei” e ainda NÃO ENGORDEI! E, para fechar com chave-de-ouro, ainda sai de lá com um mega PARABÉNS do doutor.

Onde quero chegar com tudo isso? Quero mostrar que não basta “grampear o estomago”, é preciso ter sangue frio para se olhar, detectar seus problemas – COMER SEM SENTIR O GOSTO É UM PROBLEMA – e arranjar um jeito de resolver tudo isso.

Texto reproduzido do site: https://makariansoueu.wordpress.com/2013/04/13/o-problema-e-como-se-come-2/